20.8.08

"Lisboês"

Inaceitável, esta nova forma de falar que nos assalta diariamente desde qualquer canal de tv. Há dias, ouvi na sic "ocheichentos" (em português-padrão, "os seiscentos") e na tvi "ajanelastilhaçadas" (em português-padrão, "as janelas estilhaçadas"), enquanto que Serenella Andrade, numa qualquer extracção dos "Jogoshantacasa" se referia aos "númerostraídos" (português-padrão: "os números extraídos")... Há uma certa apresentadora perita nestas faltas de hiato tão essenciais à boa compreensão. Ignoro-lhe o nome, mas como é insegura e fugidia parece escudar-se nessa fuga à correcção. De resto, a pressa é, em Lisboa, uma monumental mania, como se em permanência se fossem apagar quaisquer incêndios. Tal como os condutores desalmados que - após porem em risco vidas - sigo por uns metros, verificando, depois, que se acalmam já perto de casa, e, com a maior serenidade, desaguam num qualquer portão, como os mais pacíficos dos cidadãos. Afinal, se esta gente fosse de Nova Iorque, a que ritmo cuspiria as palavras ou ultrapassaria regras? Em lisboês, tudo parece ser motivo para uma falta de profissionalismo gritante, sobretudo quando se fala para milhões, num acrescer de responsabilidade a que se soma o execrável uso do "português do Brasil" que assemelha o meu país a uma grande prostituta linguística. É preciso ter estômago...

1 comentário:

Ricardo disse...

E o pior de tudo é que depois vemos os putos viciados nos Morangos com Açúcar a reproduzirem todo o absurdo lisboês que ouvem e depois o lisboês é "fixe".

Falta mencionar o orgulho da minha zona, o nosso dialecto algarvio que transforma as palavras terminadas em "o" em palvras terminadas com "e" o que é perfeitamente normal.

"Eu tinha feitE o mesmE nE dominguE" nem preciso dizer o que está mal nessa frase e pode parecer "estranhE" mas é assim que se fala pelos lados de Portimão.

Fico feliz que o nosso ilustre Pessoa não esteja cá para ver o que lhe fizeram com a língua e com a pátria!