27.4.06

Obscena,



quase obscena, a beleza da árvore! Eu não teria um acidente, mas que passava ao largo com uma redução pelo menos para segunda com abrandamento faseado para sustentar o pasmo, era certinho! Aaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, como faz a Boca da Verdade em Roma... Depois, olharia pelo retrovisor e, logo que possível, inversão de marcha: será que vi bem?...
O post - um dos mais deliciosos que li num blog português - devia ser o do ano! Toda a beleza se concentra no que há de mais singelo: Gaya, a mãe-natura!
Andar nos blogs e não passar por é idolatrar a Caaba sem nunca ir a Meca. Aquele blog é ou não é absolutamente perfeito?
:D

1 comentário:

Zita disse...

A beleza das árvores espanta-nos, não é? A simplicidade que é característica de quase todas as árvores... Estou a gostar da sua forma de escrever, Inês.